Muitos coaches e muitos especialistas em técnicas de estudo sempre se manifestam sobre a “curva do esquecimento” e que você deve obrigatoriamente levá-la em consideração em suas rotinas de estudo.

Vou ser curto e grosso ao me manifestar sobre o tema.

A Curva do Esquecimento

Inicialmente é importante saber que a curva do esquecimento foi objeto de um pesquisa científica no final do século XIX (19, rs…) que foi realizada por um cidadão alemão chamado Hermann Ebbinghaus (Wikipedia), nascido no ano de 1850 e falecido em 1909, sendo que o trabalho que lhe fez conhecido mundialmente foi publicado em 1885, quando tratou da memória humana.

Tive o cuidado de ler boa parte da pesquisa científica de Hermann, que foi entitulado Doutor com apenas 23 anos de idade.


Uma característica que chama a atenção na pesquisa científica de Hermann é a quantidade de pessoas que foram observadas: apenas UMA, ele mesmo.

Exatamente, a pesquisa que trouxe ao mundo a “curva do esquecimento” foi testada cientifica e originariamente em tão somente uma pessoa que foi o próprio pesquisador.

Hermann defendeu em sua pesquisa que são necessárias algumas revisões do que foi aprendido para que a memória humana retenha um conhecimento para que seja resgatado posteriormente.

A curva do esquecimento e o estudo para concursos

Não iremos nos posicionar totalmente contra a curva do esquecimento pelo simples fato de que acreditamos realmente que revisões são eficazes para a sedimentação do conhecimento no cérebro humano.

Uma abordagem interessante do próprio Hermann em seu trabalho foi a de que o conhecimento não é perdido de nossa memória, mas sim a existência de dificuldades para a recuperação da informação em determinado momento, por diversos motivos.

Com isso, pode ser que uma informação já catalogada pelo cérebro não seja, por algum motivo, resgatada no momento de uma prova muito importante, mas esteja na “ponta da língua” horas depois no bate-papo com os amigos.

A aprovação em concursos públicos: o que e como fazer?

Ocorre que a sua intenção é ser aprovado em um concurso público, certo?

Sendo assim você tem que treinar o seu cérebro a resgatar a informação desejada no momento em que ela é necessária, ou seja, na hora da prova do concurso público.

Considerando isso, sem me manifestar completamente contra a realização de 3 ou 4 revisões do conteúdo programático (talvez algo humanamente impossível, dependendo do concurso), declaro entender ser mais eficaz a realização de uma grande quantidade de questões de concursos anteriores e a prática de provas simuladas.

O estudo por aplicativo de questões de provas anteriores

Em relação à realização de questões de concursos anteriores sugiro a utilização do aplicativo BR2 Studos.

Agora veja que interessante: é sabido que as questões de concursos públicos acabam se repetindo, por vezes não tão semelhantes, mas com liames diminutos que as diferenciam.

Agora, se há uma tendência de repetição de questões em diversas provas, é certo que se você mantiver uma rotina de resolver questões de concursos públicos acabará, inevitavelmente, repetindo questões, atendendo assim, portanto, ao princípio da curva do esquecimento.

E digo mais, com uma vantagem maior ainda: você estará revisando com mais quantidade os temas que mais caem, sendo beneficiado em dobro: revisando o conteúdo e aprendendo o que mais cai em provas de concursos.

O estudo por provas simuladas nos domingos

E sobre a prática de provas simuladas, quais os benefícios?

curva do esquecimento treinamento para o cerebro

Bom, sobre esse tema é importante lembrar que as provas são comumente realizadas nas manhãs e/ou tardes dos domingos.

Me diga uma coisa, o que você normalmente está fazendo nas manhãs e nas tardes de domingo?

Entendeu onde quero chegar?

Agora não há relação com a curva do esquecimento, mas sim a necessidade de você treinar o seu corpo e o seu cérebro para uma rotina que ele não está acostumado.

Tá certo que nosso cérebro é um órgão da mais alta qualidade, mas assim como os músculos de nosso corpo, o cérebro precisa de treinamento.

Assim, se você ensinar ao seu cérebro que os domingos são dias de “ação” ele estará sempre preparado a resgatar informações nestas condições.

Se você só estuda durante a noite, certamente será mais difícil ao seu cérebro e corpo fazerem uma prova na manhã de domingo.

Considerando isso, sugiro fortemente que você faça o download de provas de concursos anteriores que sejam do mesmo cargo e da mesma banca desejada.

Acredito que o ideal seria, no mínimo, algo entre 8 e 10 provas simuladas nas 8 a 10 semanas anteriores ao dia da prova. Quanto mais provas, melhor.

Treinando corpo e mente para o dia da prova do concurso

Ao treinar o seu corpo e o seu cérebro você poderá ter um benefício em alguns aspectos, como na ansiedade, na “preguiça mental”, nos brancos, no controle de tempo da prova e na técnica de preenchimento de gabarito.prova simulada domingo

Sim, eu já vi pessoas que foram eliminadas de vestibulares e concursos públicos por causa de erro no preenchimento do gabarito. Isso sem falar naqueles que chegam ao final da prova sem ter preenchido o cartão-resposta.

A administração do tempo é de extrema importância, sendo que ainda existem aquelas pessoas que não conseguem responder todas as questões da prova no tempo estipulado.

Vou encerrando por aqui na esperança de que os conhecimentos transmitidos tenham sido assimilados.

Curta e compartilhe com seus amigos e familiares este texto.

Curva do Esquecimento: A dura verdade!
4.8 (95%) 4 votos